Muito além das suas fraquezas

Muito além das suas fraquezas

TEXTO BASE: 2 Corintios 12.1-10

O contexto de fraqueza ao qual II Coríntios 12 se refere, a partir do versículo 8, retoma a etimologia da palavra astenia, do grego asthéneia, cujo significado é ausência ou diminuição da força física. A ideia de que a graça de Deus estava se manifestando no pecado, na realidade, apenas seria pertinente caso a palavra a ser usada fosse hamartia, de origem grego, que significa “erro, pecado, falha” de hamartanein, “não atingir um propósito, falhar”, “errar o alvo”.

Assim, é possível inferir que o apóstolo Paulo enfrentava, de fato, situações desafiadoras, interna e ministerialmente, no entanto a fraqueza a que II Coríntios 12 alude não trata do viés pecaminoso, mas do caráter corpóreo, daquilo que mina nossas forças estruturais e fazem com que não saibamos para onde ir, a quem recorrer e nos prostramos totalmente dependentes do poder sobrenatural do Senhor.

O livro de Tiago, Capítulo 1, versículo 2 considera grande motivo de alegria o fato de passarmos por diversas provações, pois a perseverança se manifesta ao termos a nossa fé provada.

A sociedade tende a encarar situações de prova como justificativa para a prostração. No entanto, conforme nos diz Romanos 5, devemos nos gloriar nas tribulações, porque sabemos que a tribulação produz paciência, e a paciência esperança e a esperança não traz confusão, porquanto o amor de Deus está derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado.

As atitudes humanas carnais naturalmente demonstram-se contrárias ao que nos diz a Bíblia, portanto nos causa estranhamento tentar ser forte e perseverante apenas por nossas próprias forças. É necessário reconhecer a nossa incapacidade e confiar na força que vem de Deus e está além do que podemos compreender.

A Bíblia está repleta de personagens improváveis que reconheceram sua incapacidade diante de Deus e tiveram, na força do Todo Poderoso, aperfeiçoamento das suas fraquezas…

A exemplo disso temos Samuel, gerado por Ana, mulher infértil, mas que perseverou no Senhor, Abraão e Sara que geraram um filho em sua velhice, José, que teve sua fé provada de várias formas no Egito, Sansão, que teve suas forças exauridas por ser traído em sua fraqueza.

Com isso, percebemos que o poder do Espírito atua mediante as nossas franqueza, da mesma que forma o Espírito Santo de Deus intercede por nós com gemidos inexprimíveis.

A fé e força de Deus nos permitem experimentar o sobrenatural. Sem fé é impossivel agradar a Deus, e sabemos dessa máxima. No entanto, ainda assim, evitamos situações em que esse exercício é necessário. A nossa fé é provada justamente em nossas fraquezas e em nossas incapacidades. Em I Samuel 30:1 relata: “Sucedeu, pois, que, chegando Davi e os seus homens ao terceiro dia a Ziclague, já os amalequitas tinham invadido o sul, e Ziclague, e tinham ferido a Ziclague e a tinham queimado a fogo. E tinham levado cativas as mulheres, e todos os que estavam nela, tanto pequenos como grandes; a ninguém, porém, mataram, tão-somente os levaram consigo, e foram o seu caminho. E Davi e os seus homens chegaram à cidade e eis que estava queimada a fogo, e suas mulheres, seus filhos e suas filhas tinham sido levados cativos. Então Davi e o povo que se achava com ele alçaram a sua voz, e choraram, até que neles não houve mais forças para chorar. Também as duas mulheres de Davi foram levadas cativas; Ainoã, a jizreelita, e Abigail, a mulher de Nabal, o carmelita. E Davi muito se angustiou, porque o povo falava de apedrejá-lo, porque a alma de todo o povo estava em amargura, cada um por causa dos seus filhos e das suas filhas; Todavia Davi se fortaleceu no Senhor seu Deus.” Podemos nos identificar com essa história e viver situações de desapontamento, perda de esperanças e de orientação, perda de visão e de entusiasmo, mas no Senhor nossas forças são renovadas.

O convite é, dessa forma, para que possamos enxergar a fraqueza com outro olhar e não deixar nossos objetivos, sonhos e projetos em razão de dificuldades que possam surgir no caminho. Analogamente, nossa vida não é uma corrida de 100 metros rasos, mas uma maratona que exige preparo físico, mental, foco, força e fé. Obstáculos podem surgir e nos atrapalhar, mas devemos voltar nossos olhos ao Senhor e enfrentá-los um a um.

Quem seria Daniel sem a cova dos leões, ou Sadraque, Mesaque e Abedenego sem a fornalha? Abrace o seu Golias e o enfrente para que Deus se manifesta em sua vida. O poder Dele está muito além das suas fraquezas.

Compartilhar

Mensagens Recentes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *